Transformando a Sociedade pela Educação da Cultura do Caráter

Criança birrenta entre 2 e 3 anos de idade

12/04/2009 16:50

Essa pergunta foi recebida em quase quinze mensagens, tendo ocorrido com crianças da mesma faixa etária! Praticamente todas com as mesmas características, variando apenas o gênero da criança e a cidade. Vamos a pergunta, devidamente editada, para generalizar a dúvida:  

 
PERGUNTA:

 
Meu filho, na faixa dos 2 a 3 anos de idade, já está na escola, andou muito cedo, já fala praticamente tudo e bem explicado, dando a impressão de ter um desenvolvimento intelectual bem adiantado para sua idade. Procura ter iniciativas em casa, mas não aceita a opinião dos adultos. Quando quer uma coisa e não pode ele não aceita e se joga no chão, grita, chora convulsivamente. Eu, imediatamente, corro para ele, tento explicar o porque da proibição, me irrito quando ele continua gritando, brigo, dou palmadas, ponho de castigo, mas nada adianta! No dia seguinte ele repete a atitude toda vez que é impedido de fazer o que quer. Como posso proceder?  

 
RESPOSTA: 

 
Cada criança tem a sua forma de ver o mundo e de reagir ao que acha necessário para sua satisfação. Para cumprir isso sem erro lembre de seguir os conceitos de Freud, Wallon e Erikson no entendimento das fases que ela está passando. Esses teóricos, embora teóricos, montaram suas teorias a partir de observações práticas da vida.
 

A fase dela agora é a de utilizar sua energia para experiências exploratórias. Ela precisa desenvolver o seu senso de autonomia. E ela tem que perceber que não pode usar sua energia exploratória de forma totalmente livre, mas que existem regras sociais para serem respeitadas e que devem fazer parte de seu raciocínio. Nesse momento ela vai começar a testar os adultos à sua volta!

Quanto maior for o seu desenvolvimento criativo e a sua capacidade cognitiva, mais facilmente ela vai procurar encontrar artifícios para burlar a imposição de limites que deve iniciar exatamente agora! Mas é exatamente nesse instante que você terá que se impor utilizando, também, estratégias. Será uma batalha de estrategistas!

Tudo dando certo ela construirá sua autonomia com o perfeito entendimento de limites, pois é aí que começa o aprendizado social da criança. Surge o entendimento relacionado ao que os adultos e as outras crianças esperam dela. Surgem os conceitos de limitações, de obrigações e de direitos e aparece a sua capacidade de realizar certos julgamentos.

Para lidar com a tática do "chorar, gritar e de se jogar no chão" a tática que eu já utilizei com um dos meus seis filhos foi o de "ignorar sua atitude", fingindo estar ocupado com coisa mais importante, do tipo: ler um livro. Depois que ela se cansar de gritar você dá um tempo, passa por ela para ir pegar alguma coisa, sai do campo visual dela e, na volta, a "encontra"! 

Nessa hora aproxime-se como se nada tivesse acontecido e brinca um pouco com ela de verdade, com um brinquedo qualquer que ela goste e que nada tenha a ver como assunto da "birra". Ela vai registrar que os gritos não fizeram nenhum efeito. E a os poucos essa tática vai sendo abandonada e o entendimento de limites começa a ser incorporado na sua mente.

Essa é uma idéia. O que não se deve, em hipótese alguma, é dar importância ao fato no momento da birra, mesmo que seja para insistir no erro, porque no momento da irritação ela não compreenderá absolutamente nada. Apenas que a birra deu certo!

Sucesso para você e para seu filho!

Pesquisar no site

Contato

Instituto Univérsico - IUPE Avenida Monteiro, 19 - Liberdade
40327-170 - Salvador - Bahia
(71) 3389-8232

Livros publicados:

A 2ª edição do livro AFETIVIDADE NA EDUCAÇÃO está esgotada nas livrarias e na editora. Informo que já foram enviados à editora os originais do novo livro sobre a SEXUALIDADE HUMANA e já foi dado partida à reimpressão do AFETIVIDADE NA EDUCAÇÃO. Breve estarão ambos à disposição dos interessados.

Valores Humanos em 2014

  

Um valor por mês / um elemento sensor por mês

Sequência 2014:

Janeiro-Organização

Fevereiro-Paz/Visão

Março-Respeito/Audição

Abril-Amor/Olfato

Maio-Felicidade/Paladar

Junho-Responsabilidade/Tato

Julho-Cooperação/Visão

Agosto-Humildade/Audição

Setembro-Honestidade/Olfato

Outubro-Liberdade/Paladar

Novembro-União/tato

Dezembro-Doação/Visão

IMPORTANTE:

1. Todo trabalho com valores humanos só deve ser feito com exemplos positivos, ou seja, evitando fazer referência aos anti-valores. A sociedade e a mídia já se encarregam do ensino do anti-valor todos os dias! Pais, familiares e professores só precisam mostrar o valor positivo e os bons exemplos. Esse é o caminho correto e é assim que obteremos os melhores resultados.

2. Os trabalhos de sensores são exercícios, jogos, brincadeiras e vivências enfatizando o uso daquele elemento sensor do mês, para estimular o cérebro a desenvolver equitativamente os dois hemisférios cerebrais.

FAMÍLIA E ESCOLA

Recomendo às famílias que estejam sempre em contato com a escola para acompanhar o trabalho que está sendo realizado visando o desenvolvimento integral de seus filhos.

A parte mais importante do trabalho, que visa o alcance da aprendizagem real, precisa da dedicação do aluno ao estudo diário, em casa, durante, pelo menos, duas horas, todas as tardes.

Sem essa dedicação não existirá aprendizagem, já que as aulas, pela manhã, servem apenas para que o aluno entenda o assunto que está sendo ministrado para que, durante o estudo da tarde, ele relmente consiga fixar os conceitos por meio da escrita e da realização dos exercícios e questões envolvidas.

A outra necessidade básica é o sono, que deve iniciar sempre cedo, bem antes da meia noite, para que o cérebro consiga tempo suficiente para reformatar as redes neurais que consolidarão a aprendizagem.