Amor adolescente: Mistérios da atração afetiva

11/12/2015 11:39

Começamos aqui uma série de conversas sobre o AMOR ADOLESCENTE, por sugestão de meu amigo e aluno João Victor Magalhães.

E, para ajudar a escolher o primeiro tema, nada melhor do que responder às perguntas que chegaram hoje, com dúvidas muito parecidas, e que posso sintetizar em:

“Roberto! Como posso entender o sentimento de atração que sinto por uma pessoa? Isso significa que eu e ela temos afinidade? Se eu sinto isso tão forte será que ela sente também? Tenho medo de me aproximar e ela me recusar e eu entrar em depressão. Isso é amor? ”

Calma, cara! Devagar! Vamos por partes.

Você diz que sente atração por ela e quer saber se é amor. Ao mesmo tempo tem medo de que ela não sinta o mesmo. Vamos deixar essa parte da depressão para depois!

Vamos ver primeiro a parte da atração.

Todo animal é programado mentalmente para sentir atração pelos semelhantes e estar atento e reagir contra os diferentes.

Isso é biológico, proposital. Essa atração serve para criar um grupo de semelhantes para que, juntos, possam proteger sua comunidade contra o diferente, que é considerado como o inimigo.

Os outros animais se sentem atraídos pelo outro devido a uma característica fundamental, como por exemplo, para o cão, o cheiro; para o pavão, as cores; para o vagalume, a luz; para os pássaros, o canto; e assim por diante.

No caso de nós, seres humanos, essa empatia, afinidade, afetividade ou atração se dá de forma muito mais complexa, levando em consideração frequências, intensidades e modulações dos sinais que captamos dessa pessoa, por meio de nossa visão, audição, olfato e também pela capacidade empática, como uma espécie de energia que se recebe dela.

Podemos incluir aí outros detalhes, como a posse de uma moto, um bom saldo na conta bancária, a marca do carro, etc.

A atração começa, então, quando encontramos uma pessoa que, por coincidência, possui características, muito semelhantes aquelas para as quais nossos elementos sensores estão programados.

Havendo essa coincidência, sentimos uma sensação agradável.

Se não houver essa coincidência, a presença dessa pessoa nada significará para nós, ou seja, ela passará despercebida emocionalmente.

E no caso dessas frequências serem incompatíveis, sentiremos uma espécie de repulsa.

O nível e a qualidade dessa sensação positiva, vai fazer esse afeto variar de intensidade, sendo a forma mais branda, a simples admiração, que pode ser chamada de afetividade fraternal, afinidade de semelhantes, ou coisa parecida.

É a mesma coisa que a maioria de nós sente pelos seus “melhores amigos”.

Mas essa atração pode aumentar de intensidade e mudar o objetivo, o que também é biológico, porque vai servir para preservar a espécie por meio da sua reprodução.

Ela agora assume as características de paixão, amor, ou simples atração sexual.

E, saindo um pouco da normalidade, pode até alcançar níveis patológicos de ciúme doentio, sentimento de posse e obsessão.

Embora esse aumento da intensidade da atração e mudança de objetivo ocorra com pessoas de gêneros opostos, exatamente para permitir a procriação, há também a mesma atração entre pessoas do mesmo gênero.

Nesse caso, embora seja também paixão, amor ou simples atração sexual, o objetivo já não é a reprodução, mas compartilhamento de afeto, sexualidade, prazer, etc.

Ou seja, nosso papo não é exclusivo para um tipo de relacionamento. As análises e as soluções são as mesmas, independentemente, tanto dos gêneros dos envolvidos, como de suas orientações sexuais.

A atração, então, é parte de nossa programação biológica. Em outro momento vamos ver exatamente como é feita essa programação, entre o primeiro e segundo mês da gestação, ou seja, ainda no útero materno.

O que fazer com a atração, então, se ela não é correspondida? O mais comum, para o adolescente, é não aceitar a recusa e ficar ansioso, angustiado, depressivo, como se essa pessoa fosse a única a despertar esse seu sentimento.

Primeiro passo: Gostar de você mesmo!

Os níveis de ansiedade são muito maiores em pessoas que estão carentes do amor familiar e naquelas que se esqueceram de amar a si mesmas.

Cure-se disso urgente, ou seja, procure se dedicar com mais afeto aos seus familiares mais próximos, para sentir a segurança afetiva necessária ao estabelecimento do equilíbrio emocional.

Assim você não estará na busca incessante de um substituto do amor familiar inexistente. Esse substituto não existe!

E passe a perceber suas próprias qualidades.

Assim você estará desenvolvendo amor próprio, o amor por você mesmo!

A partir daí vamos às demais estratégias:

Procure mostrar a si mesmo que seu sentimento não é direcionado exclusivamente para essa pessoa.

Como?

Observe, mais atentamente, as pessoas à sua volta.

Vá a um local movimentado e procure perceber as diferentes emoções que você sente analisando, disfarçadamente, cada uma que passe por você.

Aproveite para tentar encontrar características mais comuns naquelas que mais lhe chamam à atenção de forma positiva.

Você verá que sua programação mental alcança muito mais gente do que você imaginava e que, o seu atual alvo, aquele que lhe parece ser o maior e único amor de sua vida, é apenas um entre muitos.

Isso reduz a ansiedade e lhe traz de volta à realidade, permitindo que sua busca seja menos precipitada e mais consciente.

Outra estratégia, no caso de você ter levado um fora de seu alvo, é transformar essa paixão em admiração.

Agora que você percebeu que sente algo positivo por mais pessoas, você já tem condições de olhar para o motivo de sua angústia e colocá-lo entre todas as outras pessoas que você nem tinha percebido que também estariam em seu horizonte de atração afetiva.

Treine ver essa pessoa como uma simples pessoa amiga que você admira muito.

E deixe essa amizade florescer e se tornar forte.

Você pode até se surpreender, um dia, quem sabe, e ver essa amizade se transformar em algo mais intenso.

Dúvidas? Escreva para mim:

robertoandersen@gmail.com

ou mande mensagem pelo whatsapp:

(71) 9-9913-5956

Leia meus livros. Para adquiri-los entre em nosso BLOG e clique na capa de um deles:

robertoandersen.blogspot.com

Os livros, com os links para adquiri-los, estão também no portal de nosso colégio:

https://iupe.webnode.com

Forte abraço.

Vejo vocês no próximo encontro!


Crie um site com

  • Totalmente GRÁTIS
  • Design profissional
  • Criação super fácil

Este site foi criado com Webnode. Crie o seu de graça agora!